Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Delicada como um elefante

19
Set18

Babies can sleep anywhere

Bárbara

As ilustrações deste livro são lindas.

 

1E9553B8-E15D-4DC4-B453-35373B4F83C3.jpeg

 

Tem frases curtas, sendo perfeito para ler na hora de dormir.

Vai mostrando como as crias de cada mamífero dormem. Não concordo propriamente com o conceito de que os bebés podem dormir em qualquer lado mas entendo que gostassem que assim fosse.

Sendo um livro para crianças acho que não devia ter sobrecapa, de resto é perfeito.

29
Ago18

Os mais belos contos de Grimm

Bárbara

E6B36BE4-E615-4C63-BDD4-97E3D387B09D.jpeg

 

Tenho estes livros desde pequenina e não me lembro de alguma vez os ler, embora conhecesse quase todas as histórias.

Gostei muito.

 

A forma como as histórias estão escritas é acessível a crianças e ótima para contar em voz alta.

Hoje em dia já não estamos habituados a histórias para crianças tão cruas em que se mata e se abandona. Doura-se mais a pílula, por assim dizer. Estas ainda são assim.

Muitas delas são machistas. A mulher é uma totó, sem poder de decisão que leva com o noivo que as circustâncias lhe impõem, mesmo que seja um príncipe encantado. Já sei que na altura em que foram escritas o mundo era assim.

Não adoro as ilustrações mas gosto. São clássicas.

 

20
Ago18

Contos infantis de Lídia Jorge

Bárbara

Já tinha ouvido falar da autora e até tinha curiosidade de ler algum livro dela.

Por causa da bebé, proporcionou-se uma tia-avó dela emprestar os dois contos infantis que Lídia Jorge escreveu.

São contos pequenos que foram lidos para uma só sesta. Gostei mais de um do que de outro, embora ambos tenham boas morais.

 

AFDCB6C2-E74F-4F39-AE01-72EEED62BC8A.jpeg

 

 

Sinopse:
“Romance do Grande Gatão conta a história de um gato irreverente, listado, dividido entre o afecto de duas famílias, diferentes, e da sua busca de felicidade e afirmação. É uma história de aventuras pelas noites de luar, de lutas até ao amanhecer e de feridas curadas pela amizade das crianças.
Às palavras poéticas de Lídia Jorge juntam-se as ilustrações de Danuta Wojciechowska. Um livro para guardarmos na memória e relermos vezes sem conta. O triunfo da tolerância entre pessoas, oferecido pela figura de um pequeno animal, que assim se transformou num ser grande.”

 

É um livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 3º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

Acho que a linguagem é demasiado complexa, aliás, raramente concordo com estas recomendações.

As ilustrações também não me parecem muito apelativas a crianças, embora eu pessoalmente ache bonitas pelos tons quentes que têm.

Esta história mostra que o racismo muitas vezes tem por base o desconhecido. As pessoas nem sempre são simplesmente más. Ao terem algo em comum para lutar, acabam por se conhecer e descobrir que podem ser amigas. Também é bonito ver como as crianças são puras antes de apreenderem os preconceitos dos adultos.

 

 

”O grande voo do pardal”

4,5*

 

Sinopse:

"Henrique Gaspar possuía a casa mais linda das redondezas. Ninguém sabia onde ele ia buscar aquilo - árvores com flores cheirosas, relva lisa como carpete, uma piscina que parecia um espelho. [...] Ora certo dia de Primavera, estava ele precisamente a podar uns arbustos, quando reparou num pequeno molho de penas que se movia. Era um molhinho cinzento pousado no chão, que parecia respirar, ali mesmo junto a uma aba de roseira. [...]"
Esta é uma história, simples e bela, onde a escrita elegante e poderosa se manifesta desde as primeiras linhas. Uma pequena jóia literária com alusão a alguns dos temas que se encontram nos grandes clássicos: a amizade, a compaixão e a liberdade.”

 

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para apoio a projetos relacionados com a cidadania nos 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade. Este já me parece muito mais adequado. A linguagem é mais simples e a mensagem passa na mesma. Um homem amargurado que acaba por se afeiçoar a um animal fragilizado.

As ilustrações também são mais simples mas mais bonitas. Os tons frios fazem sentido na história.

10
Ago18

“Lendas da floresta” e “A magia de um sonho”

Bárbara

Ultimamente não leio mais nada senão livros imfantis. Acho que já disse outras vezes que sei que lhe podia ler qualquer livro mas ela fica a olhar para as ilustrações e por isso prefiro ler livros infantis.

Achei o “Lendas da floresta” muito engraçado. As ilustrações são desenhos mais clássicos que eu acho mais giros do que os mais modernos. As histórias dos seres que descreve são originais. Bruxas, trols, duendes, frágeis, gnomos, fadas; todos são humanizados, uns com coisas mirabolantes outros mais parecidos com a mitologia que todos conhecemos. Referência outras histórias infantis de uma forma muito divertida.

 

1EF7AFFF-3938-4D17-A15A-7BBE3A2AA33E.jpeg

 

”A magia de um sonho” de Helena Magalhães  tem ilustrações muito bonitasmas a história é muito fraquinha. Se calhar eu não a percebi mas isso não abona muito a seu favor porque uma criança ainda deve perceber menos. É um conto muito pequenino, por isso nem o vou contabilizar para o projeto “leio 3 e compro 1”.

09
Ago18

Pediatria para todos

Bárbara

CF53E58B-4C5C-4B02-B845-B40177E2BF69.jpeg

 

O nosso pediatra é um astro.

Começou por ter um blog com sucesso. Depois escreveu o primeiro livro, começou a aparecer em programas de televisão e a escrever artigos para jornais. Agora vai a muitos programas de televisão, escreve muitos artigos, já escreveu outro livro, tem um canal no YouTube e lançou um novo site que é muito útil. Também tem Instagram e Facebook.

Consultem tudo! É maravilhoso como ele disponibiliza esta informação toda. Já que os pais vão procurar informações online, ao menos que seja fidedigna.

Trabalhámos juntos no hospital e já o tinha escolhido muito antes de engravidar, obviamente que não é pelo sucesso que tem, embora fique muito feliz que o tenha pois merece.

Ele é descomplicado e toda a informação que faculta é baseada na evidência científica. Nada de fundamentalismos, que para mim é muito importante, pois muito do que se encontra online escrito por mães e afins pressiona-nos muito.

Não deixa de parte a experiência nomeadamente a como pai e como filho.

Também é muito carinhoso e disponível.

 

Podem encomendar os livros aqui.

 

 

29
Jul18

Grandes compras para bebé

Bárbara

Se não faz muita diferença errar na compra de pequenas coisas, os erros nas grandes compras são caros. Aproveitem promoções e sugiram a quem vos quer dar prendas, mesmo que seja necessário juntar-se um grupo.

Eu fiz uma lista durante a gravidez depois de fazer pesquisa e me aconselhar com quem já tinha filhos mas descobri que cada família tem um estilo diferente e o que é essencial para uns é absolutamente desnecessário para outros.

Vou dizer-vos o que gostei, o que não gostei e o que preferia ter tido, agora que já passei pelos primeiros 6 meses. Deixo de fora propositadamente aquelas coisas que servem para brincar nomeadamente parque, esperguiçadeira e ginásio. Não são coisas propriamente essenciais e podem ficar para um próximo post. Também deixo de fora a bomba tira-leite e a almofada de amamentação para depois escrever um post dedicado à amamentação.

 

- Cama de grades - Escolhemos a Ikea Gulliver. Branca, linhas direitas, segura e barata. O estrado tem duas alturas e a grade é amovível, pelo que dura bastante tempo. Escolhemos um colchão firme de acordo com as recomendações para previnir a morte súbita.

 

- Trocador - Há muita gente que acha que não vale a pena porque acaba a mudar a fralda em cima da cama. Nós nunca o fizemos. É melhor para as costas com trocador. Escolhemos o Ikea Stuva e é bastante prático. Conseguimos pôr em cima o muda-fraldas, a cesta com os produtos e a banheira Shantala. Tem gavetas e prateleiras para todas as coisas da bebé. Quando ela crescer pode ser transformado em secretária. Enquanto a bebé esteve no nosso quato usamos as nossas cómodas Ikea Malm como trocador e funcionou bastante bem. A cesta foi algo super prático para andar entre divisões da casa com as coisas.

 

-Trio Concord Neo Mobility:

-- Carrinho - por causa do ovinho, escolhemos o Concord Neo mas não gosto por ser super complicado. Não dá para fazer nada só com uma mão. No entanto é leve e compacto para o carro. Também é resistente e tem boas rodas para andar em terrenos mais irregulares

-- Ovinho e respetiva base isofix - por aconselhamento de uma amiga temos a Concord Air Safe e gostamos muito. É leve, com ótimos resultados em testes de segurança e a bebé adora. Nada de cabeça torta para nos deixar preocupados com a asfixia postural.

-- Alcofa - lá com a história da asfixia postural, parecia essencial ter alcofa para a bebé não dormir no ovinho. Primeiro medicamente isso é treta, segundo ela odeia a alcofa. A que temos é a Concord Scout porque era a do trio. Já vi alcofas que se transformam em ovinho e essas parecem-me úteis. 

-- Sombrinha - ainda está a caminho mas tem feito muita falta porque a bebé é bastante sensível ao sol. Recuso-me a tapá-la com panos porque é perigoso pelo sobre-aquecimento e porque eu não a vejo nem ela a mim.

 

9A5BA62F-B500-4EF5-ABE6-5E8A2BE2E075.jpeg

 

- Porta-bebés - Achamos absolutamente fundamental para conseguir fazer alguma coisa em casa com a bebé e para passear as cadelas. Tivemos um conselheira de baby wearing cá em casa. Experimentamos um wrap, um ring sling mas gostamos mesmo é da mochila erogonómica por sem mais prática. Inicialmente compramos a Ergobaby Adapt mas recentemente compramos a 360 para podermos virar a bebé para a frente. Já sei que não é aconselhado mas, na realidade, não há evidência científica que seja realmente prejudicial. A bebé gosta de estar virada para o mundo.

 

EDA1A265-F706-454A-9A0A-B7404AAF5671.jpeg

 

- Monitor - durante meses opus-me a ter monitor pois achava que num apartamento não era necessário e só aumentava paranóias. No entanto, o nosso apartamento está dividido pelas casas de banho que fazem uma barreira de som. A verdade é que, agora que cedi, tenho mais liberdade porque ela fica no berço a dormir e eu posso andar noutros sítios da casa. Escolhemos o Phillips Avent digital video e estamos muito satisteitos porque deteta o movimento e som de acordo com o nosso grau de ajuste. A imagem é bastante razoável, nomeadamente em modo de infra-vermelhos. Há quem use com aplicações de telemóvel mas nós achamos este sistema mais prático.

 

- Esterilizador - Durante os primeiros 6 meses, para os quais está aconselhada esta prática, praticamente só foi preciso para chupetas, dado que a bebé esteve em amamentação exclusiva. Ainda assim, acho que é algo últil pois torno o processo mais fácil. É só colocar com um pouco de água no micro-ondas. O nosso é o da Phillips Avent.

 

Coisas a ponderar comprar para um próximo filho:

- Berço de co-sleeping - Sugeriram oferecer-nos mas por causa das cadelas dormirem na cama, achámos que não era seguro. Agora, que elas se mudaram para a sala, acho que o poderíamos ter tido e que teria facilitado a minha vida por causa da amamentação.

 

- Ninho - chegaram-me a sugerir como prenda e eu não quis por ter medo da morte súbita mas, a verdade, é que os bebés gostam de se sentir aconchegados e teria sido mais fácil ela dormir. A nossa bebé nunca gostou de swaddle porque queria ter os braços soltos.

 

Espero que seja útil.

12
Jul18

Essenciais de bebé - roupa

Bárbara

A bebé está quase com 6 meses e por isso já tenho opinião formada sobre o assunto.

A primeira coisa que aconselho é comprarem pouco e não se anteciparem muito. Eles crescem depressa e deixa de servir num instante. Se tiverem muitas peças para a mesma idade, nem chega a vestir algumas. Além disso, dependendo da velocidade de crescimento, podem errar no tamanho em termos de estação do ano. Ainda acabam com um macacão polar para Agosto... Além disso, oferecem-vos muita coisa. 

 

O que aconselho:

1 - bodies de apertar à frente. Bebés odeiam vestir coisas pela cabeça.

2 - babygrows com pé e de preferência com fecho. Em Portugal são raros, mas são a coisa mais prática. Comprem tipo veludo para o frio e algodão fino para o calor.

3 - se tempo de calor, macacões de calções e manga curta

4 - gorros macios e pouco altos. A Maria não usou a não ser no primeiro dia. Ela odiou desde sempre coisas na cabeça, mas são algo necessário para manter a temperatura no tempo frio.

5 - casacos macios, de cores neutras e largos para serem fáceis de vestir. São super úteis para agasalhar porque veste-se o bebé em camadas. A Maria nasceu em Janeiro e macacões tipo roupa de neve também foram úteis. Como não usava gorros, casacos ou macacões de capucho foram a forma de contornar a questão.

 

4C9F6A88-CD9B-44A1-9FCD-DB32EF3EF5DB.jpeg

  

O que desaconselho:

1 - meias e carapins. Se usarem babygrows com pés é mais prático. As meias estão sempre a sair.

2 - t-shirts. Os bebés odeiam coisas que entram pela baceça. Além disso, quando estão deitados, as t-shirts enrolam e é mais prático ser tipo body com molas no períneo.

3 - calças e calções. No caso da Maria, como teve refluxo gastro-esofágico muito intenso, os elásticos apertavam a barriga e quase não usou. 

4 - saias. São a coisa mais inútil e desconfortável. Não se seguram de maneira nenhuma.

5 - vestidos. São a coisa mais fofa do mundo e até comprei alguns e voltaria a comprar, mas também enrolam. Não é tão mau como saias e t-shirts e para uma vez ou outra, acho que não incomoda a bebé

6 - acessórios. Os bebés odeiam coisas na cabeça. Gorros são úteis mas fitas e assim são só por vaidade dos adultos. Pulseiras e colares são perigosos Nem que vos ofereçam e tenham medo de ofender. Nem que digam que os colares de âmbar são milagrosos para as dores. Não querem um bebé enforcado...

7 - roupa de 0 meses. A não ser que o bebé seja prematuro ou muito pequenino, é um desperdício porque só dura para os primeiros dias.

 

14
Jun18

Histórias de adormecer para raparigas rebeldes

Bárbara

Eu e a bebé acabámos os dois volumes.

 

C19B3368-29C0-4EA9-B6E4-4A742F005D49.jpeg

 

Quero que ela saiba desde sempre que pode fazer tudo. Que os rapazes não são mais capazes.

Estes livros contam 200 histórias de mulheres pioneiras, embora eu não escolhesse algumas delas. Cada uma tem direito à sua citação e ilustração. São livros muito bonitos.

A história é pequena e escrita com uma linguagem acessível aos mais pequenos mas nem sempre a escolha dos pormenores é a que eu faria.

Tem alguns erros gramaticais... Não percebo as editoras portuguesas...

Em conclusão, acho que são uma óptima ideia e estão bem conseguidos mas não são perfeitos.

 

11
Jun18

Leio 3 e compro 1 #2

Bárbara

0DD71D79-CE6B-4253-9BFB-12D9E210F87B.jpeg

 

Desde o post anterior, li:

1 - "O mistério do comboio azul" de Agatha Christie - 4 € em segunda mão no OLX. Lido para o projeto “365 dias com Poirot e Marple” do blog “The Daily Miacis”. Opinião aqui. 3*

2 - "Dormir tranquilo" de Mário Cordeiro - só 8 € pois 50% do valor foi pago com o vale na promoção do dia da mulher da Wook. 4*

3 - "10 dias para ensinar o seu filho a dormir" de Filipa Fernandes - 0 € pois foi comprado com um vale da Wook. 5*

Opinião dos dois últimos aqui.


Comprei:
- “A mão que nos opera”
 de Atul Gawande - 14,9 € na Wook

09
Jun18

Livros sobre sono de bebé

Bárbara

C8A967F1-8E8F-412A-8376-B96B82931D1E.jpeg

 

Sou mãe de uma bebé de 4 meses a ser amamentada em exclusivo e em tentativa de livre demanda, ou seja, estou em privação de sono. É normal? É! É agradável? Não! Não me lixem as fundamentalistas da amamentação. 

A agravar a situação eu tenho um distúrbio de sono chamado “hipersónia idiopática” que, como o próprio nome indica, me faz ter uma enorme necessidade de dormir.

Desde que a bebé nasceu, como é normal da fisiologia das mães, fiquei hiperreativa e acordo com cada movimento ou barulhinho da bebé. Mesmo com a bebé a dormir, eu não durmo. Provavelmente ainda estrago mais o sono dela porque ligo a luz para ver o que se passa e enfio-lhe a chupeta.

Decidi pôr mãos à obra e li 2 livros, o primeiro por iniciativa própria porque já tinha lido outro do autor e tinha gostado, e o segundo, por recomendação do pediatra.

O primeiro foi o “Dormir Tranquilo” escrito por Mário Cordeiro, pediatra e autor de “O grande livro do bebé”. Trata-se de um livro muito bem estruturado, com capítulos bem divididos e que pode ser consultado a qualquer momento. Ao estilo do autor, mistura a evidência científica com a sua vasta experiência com exemplos. É um óptimo livro para compreender o sono das crianças mas faltava a parte prática de como resolver a minha questão é por isso só dei 4*.

Aí entra o segundo, “10 dias para ensinar o seu filho a dormir” de Filipa Fernandes que é terapeuta de sono. É um livro que também refere alguma evidência científica e tem muitos exemplos. Mas aquilo em que se distingue é que explica como efetivamente fazer para melhorar cada problema, adaptado a cada idade. O método de 10 dias só se aplica a bebés acima dos 6 meses mas, para bebés mais pequenos como a minha, existem algumas medidas que se podem ir implementando e que se devem incutir desde o nascimento para o sono nunca chegar a ser um problema. Dei 5*.

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D