Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delicada como um elefante

20
Ago18

Contos infantis de Lídia Jorge

Bárbara

Já tinha ouvido falar da autora e até tinha curiosidade de ler algum livro dela.

Por causa da bebé, proporcionou-se uma tia-avó dela emprestar os dois contos infantis que Lídia Jorge escreveu.

São contos pequenos que foram lidos para uma só sesta. Gostei mais de um do que de outro, embora ambos tenham boas morais.

 

AFDCB6C2-E74F-4F39-AE01-72EEED62BC8A.jpeg

 

 

Sinopse:
“Romance do Grande Gatão conta a história de um gato irreverente, listado, dividido entre o afecto de duas famílias, diferentes, e da sua busca de felicidade e afirmação. É uma história de aventuras pelas noites de luar, de lutas até ao amanhecer e de feridas curadas pela amizade das crianças.
Às palavras poéticas de Lídia Jorge juntam-se as ilustrações de Danuta Wojciechowska. Um livro para guardarmos na memória e relermos vezes sem conta. O triunfo da tolerância entre pessoas, oferecido pela figura de um pequeno animal, que assim se transformou num ser grande.”

 

É um livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 3º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

Acho que a linguagem é demasiado complexa, aliás, raramente concordo com estas recomendações.

As ilustrações também não me parecem muito apelativas a crianças, embora eu pessoalmente ache bonitas pelos tons quentes que têm.

Esta história mostra que o racismo muitas vezes tem por base o desconhecido. As pessoas nem sempre são simplesmente más. Ao terem algo em comum para lutar, acabam por se conhecer e descobrir que podem ser amigas. Também é bonito ver como as crianças são puras antes de apreenderem os preconceitos dos adultos.

 

 

”O grande voo do pardal”

4,5*

 

Sinopse:

"Henrique Gaspar possuía a casa mais linda das redondezas. Ninguém sabia onde ele ia buscar aquilo - árvores com flores cheirosas, relva lisa como carpete, uma piscina que parecia um espelho. [...] Ora certo dia de Primavera, estava ele precisamente a podar uns arbustos, quando reparou num pequeno molho de penas que se movia. Era um molhinho cinzento pousado no chão, que parecia respirar, ali mesmo junto a uma aba de roseira. [...]"
Esta é uma história, simples e bela, onde a escrita elegante e poderosa se manifesta desde as primeiras linhas. Uma pequena jóia literária com alusão a alguns dos temas que se encontram nos grandes clássicos: a amizade, a compaixão e a liberdade.”

 

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para apoio a projetos relacionados com a cidadania nos 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade. Este já me parece muito mais adequado. A linguagem é mais simples e a mensagem passa na mesma. Um homem amargurado que acaba por se afeiçoar a um animal fragilizado.

As ilustrações também são mais simples mas mais bonitas. Os tons frios fazem sentido na história.

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D