Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Delicada como um elefante

28
Jun18

“Antes de eu partir” - Paul Kalanith

Bárbara

A6B50B05-4E18-42D9-BD6F-96F66FAC4073.jpeg

 

Já acabei de ler o livro há uns dias. Já mudei o número de estrelas duas vezes. Estou com alguma dificuldade em ter a certeza do que penso sobre ele. Talvez não o devesse ter lido a seguir ao “Ler mortal” porque o assunto é o mesmo só que em vez de ser a visão do médico e filho do doente oncológico e paliativo, é a visão do médico que é o próprio doente.

O livro está incompleto porque o autor morreu antes de o acabar e foi a mulher que escreveu o epílogo.

A coisa que gostava mais de realçar sobre o autor é que ele também era formado em literatura e tem uma cultura muito rica pelo que escreve muito bem.

Depois é obviamente uma história triste porque é um homem jovem que morre de cancro e em relativo pouco tempo. Deixou mulher e um bebé. Essa foi a parte que me fez confusão porque isso foi uma opção já depois de saber que ia morrer. Eles estavam quase a divorciar-se e e depois de descobrirem a doença ficam juntos e ainda por cima decidem ter um bebé. Mas quem sou eu para julgar?

Ele era interno de neurocirurgia e por isso não tem assim tanta experiência como faz crer sobre morte por cancro. O Atul Gawande é mais velho e cirurgião geral, pelo que se nota outra maturidade. 

Estava à espera de uma reflexão mais profunda sobre o que é ser um homem no auge da vida e ter de enfrentar a proximidade com a sua morte. Acaba por ser só uma descrição dos acontecimentos e a única reflexão que ele faz é de que não sabe o que decidir o que fazer da vida porque não sabe quanto tempo de vida tem. 

É um 3,5*.

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D